13.5.06

Dia das Mães

Aprendi que ser mãe não é esperar nove meses, nem ver a barriga crescer nem muito menos ter o seio farto de leite. Podemos levar um tempo muito maior ou menor do que os nove meses para ter os filhos nos braços. Podemos deixar o coração inflar ao invés da barriga. Podemos alimentar o filho com mamadeira ou com um belo prato de comida, se quando ele chegar não for mais um bebê.
O que nos faz mãe de verdade é o amor incondicional. É sentir uma emoção infinita por um lindo ser que não sabemos exatamente de onde veio, como veio, de que jeito chegou e que, embora com data marcada pelos Planos Deus, não tínhamos a noção exata de quando chegaria. Podemos ser mãe do dia para noite, quando menos esperamos. E viver uma emoção que muita gente pensa que só existe na maternidade, na hora do parto.
Comemorar o Dia das Mães para mim é muito pouco se tenho outros 364 dias para viver intensamente a verdadeira maternidade. Por isso, nesse meu primeiro Dia das Mães não quero homenagens. Quero apenas homenagear meu filho Giovanni que me ensinou o verdadeiro sentido da palavra mãe e desejar a todas mamães e grávidas do coração uma maternidade plena em todos os dias de nossas vidas.
Um beijo
Salete Silva

Um comentário:

Glaucia disse...

Isso é lindo viu..que texto cheio de sentimentos parabéns!