11.6.08

Retornando...


Muitos de vocês não devem se lembrar de mim. Fiquei muito tempo afastada, repleta de questões pessoais para resolver, trabalho, filho, processos, enfim...

O resumo da minha história, ou melhor, da nossa história é o seguinte:
Me inscrevi no Conselho Tutelar da cidade onde eu morava, buscando adotar uma criança de 0 a 5 anos de idade, sem distinção de sexo, cor, etc. Ficamos exatos 9 meses aguardando algum contato, eis que no dia 6 de março de 2006, recebemos a ligação do Conselho Tutelar dizendo que havia um menino de 5 anos que se encontrava na Casa de Passagem com uma mãe social e que lá não poderia mais ficar e nem passar aquela noite. Eles estava a procura de uma família substituta.
Pegamos o carro e fomos para lá. Nos contaram uma história breve sobre o menino que sofria maus tratos diversos, explorações de todas as ordens, estava sub-nutrido, e se havia interesse de vermos a criança antes de decidirmos ficar com ela.
Na ocasião eu disse que não queria vê-lo antes, pedi apenas para me darem a papelada para assinar pois ele iria pra casa conosco, independente de quem ele fosse e como ele era. Assinei os papéis e fui buscar o menino.
Ele estava arrumadinho, com sua mochilinha nas costas nos esperando. Nos apresentaram como "tios" e ele tímido veio no meu colo e o trouxemos para casa. Aqui já estavam meus cunhados e minha irmã esperando por nós. E neste primeiro dia ele me chamou de mãe e o meu marido de pai. Era como se ele sempre estivesse aqui... Aquele, definitivamente, não era o primeiro dia, pois não era isso que o nosso sentimento dizia. No dia seguinte, ele acordou com um sorriso nos lábios.
Deste dia em diante, Natan está aqui pra sempre.
Meu filho, minha vida, meu amor.
Não o vi dar seus primeiros passos, mas o acompanhei quando começou a escrever as primeiras palavras.
Não presenciei quando começou a falar, mas o ajudei a aprender a ler.
Estive presente em todas as suas conquistas, desde as medalhas que ganhou nos campeonatos de natação (algumas em primeiro lugar) até quando aprendeu a amarrar seus cadarços sozinho.
Apesar de todas as dificuldades que passou antes de estar aqui, Natan é uma criança feliz, saudável, inteligente, que sabe brincar, sabe dividir, compartilhar, dar carinho.
Hoje, ele tem 7 anos e estamos com o processo de adoção completando quase 2 anos.
Em meio a este processo, a mãe biológica em primeira instância foi favorável a adoção, mas em seguida quis ter o filho de volta. Não me abalei porque sei com todo o meu coração que o Natan é o meu filho, que daqui só sairá no dia em que se casar... rs... ou quando for adulto e quiser ter sua independência. Não tenho medo de perdê-lo, pois ele é nosso e sempre foi de certa forma. Não há nada que abale ou consiga desfazer os laços que foram criados entre nós. Laços de sangue? Não! Laços de amor que são muito mais firmes e apertados.

Ontem, recebemos a notícia do nosso advogado de que o Juiz do caso é favorável a adoção e que agora falta muito pouco para finalizar todo este cansativo processo. No mais, não penso muito nisso, pois sei que tudo acabará bem para todos. O que penso todos os dias é em criar o meu filho para ser um homem de bem.

Beijos e desculpas por não estar tão ativa quanto gostaria.

- Mila Viegas, mãe do Natan (7 anos) -

11 comentários:

Anninha disse...

Oi mamãe!

Tudo bem?
Que história mais linda! =´[
Fiquei até emocionada!
Estamos adotando uma menininha também! Ela vai nascer mês que vem! \o/ Estamos felizes demais! Depois vamos adotar outra criança se assim Deus nos permitir! Quero adotar o próximo maiorzinho...
Parabéns a todos vocês por este lindo amor! Bjus

elane rebello disse...

linda,estou procurando um assunto para meu tcc,pois ano q vem me formo assistente social,e preciso de um tema,para apresentar e este é ótimo,parabéns pelo seu coração lindo,q história maravilhosa!!bj

Angela disse...

Oi Mammy!! me arrepiei a cada palavra que li.Há 6 meses ganhei 2 filhotas maravilhosas também,2 irmãs,uma com 10 e outra com 11 anos. Sou a pessoa mais feliz do mundo por isso e sei como você se sente. O amor que nos invade não tem tamanho !!Felicidades para vocês. Beijos, Angela

Simone disse...

Olá!
Sua história veio como um grande estimulo para o momento que estou vivendo. Estou preste a adotar um menino de 4 anos.
Além de todo o receio que toda futura mae tem, a responsabilidade se torna maior ainda em garantir a alegria e bem estar de alguem que tão cedo enfretou tantos desafios. Vamos ter uma fase de adaptação mutua, imagino. Mas acho que na verdade, o Flavinho é que está me adotando! :-) E tenho fé que vamos nos sair bem! Simone

CRISTINA disse...

MAMI, SOU PRESIDENTE DO GRUPO ANJOS DA VIDA DE BAL. CAMBORIÚ E OUÇO TODOS OS DIAS MUITAS HISTÓRIAS, MAS CONFESSO QUE ESTA PARTICULARMENTE ME EMOCIONOU. TALVEZ POR SER UMA ADOÇÃO TARDIA, O QUE TORNA TODO O PROCESSO MAIS EMOCIONANTE. QUE DEUS TE ABENÇOE HOJE E SEMPRE BEM COMO SUA FAMÍLIA LINDA.

A VIDA DE UMA TREINANTE. disse...

Olá mamãe,

Acabei de ler sua história, nossa linda!!!
Fiquei muito emocionada, e torço pra q vcs sejam muito felizes e q Deus ilumine ainda mais sua família.
Tbm quero adotar, vou atrás ainda dos q é preciso fazer.
Beijos e boa semana

cecilia disse...

muito linda sua historia me emocionei

Rose disse...

Acho que todos que pretendem adotar devem pensar na possibilidade de trazer para o lar uma criança mais velha que tem menos chance de conseguir uma família e que precisam tanto. Adotei o meu filho com quatro anos e o processo de adoção durou longos quatro anos. Hoje o meu anjo tem nove anos, é feliz e me dá um trabalho danado graças a Deus, ou vocês pensam que criança não dá trabalho? Dá trabalho, dá vida , da emoção, dá carinho, dá ternura , dá paz , dá união e principalmente dá muito amor. Pensem nisso, a adoção tardia também é muito importante, se você pode faça. Uma feliz vida a todos.Rose.

CARLA disse...

Lindo depoimento ... E super estimulante para mamães de 1a viagem em adoção tardia... No meu caso, é 1a viagem como "mamãe" mesmo.:))))
Estou na fila de adoção, esperando por uma menina de 4 a 6 anos. Optamos por adoção tardia por acreditar que a adoção pode se dar em mão dupla: nossa filha tambem estará nos adotando, com certeza.
Torço para que esta hora chegue em breve, e depoimentos tão cheios de amor como o seu são um incentivo enorme neste caminho.
Parabéns e desejo toda a felicidade do mundo para voce e sua familia.

Anônimo disse...

Achei linda a história! Parabéns, mamãe, por sua decisão tão humilde de acolher esta criança com amor. Que seu lar seja extremamente abençoado!

Anne

Bia Silva disse...

Estava procurando sobre adoção quando me deparei com esse blog no google, entrei, li o primeiro post, li este, e me emocionei...
Seria taum bom se as pessoas adotassem mais!

Muito feliz por vc, e pelo seu lindo filho =)

bgs =*