2.11.07

Devolução da Criança

Amei este texto, da autoria da Dani, um membro do Orkut. O tópico da discussão é sobre uma moça de 24 anos, que hoje grávida de seu primeiro filho, considera a possibilidade de devolução de uma adolescente que ela adotou. Adaptei um pouco, mas acho que temos muito o que meditar sobre o que ela pondera.

Esse tipo de coisa acontece por que os adotantes não estão claros emocionalmente em sua motivação para adotar.
Idealizam demais a adoção como se fosse algo mágico. Ter filhos não é algo mágico, é uma realidade diária cheia de alegrias, tristezas e frustrações também, Seja ele filho bio ou adotado, é um ser humano totalmente independente com uma forma de ver o mundo única(ainda que grande parte dessa percepção leve a influencia dos cuidadores diretos).
Saber lidar com essas "frustrações" que ocorrem é que mora a diferença e a sanidade interna de uma pessoa, e sua maturidade emocional para saber fazer dessa "frustração" uma manivela forte para mudar a situação de maneira acertiva.
Creio que o que acontece com essa senhora não é diferente de muitos outros casos parecidos que vemos diariamente(infelizmente); pessoas com motivações internas "indefinidas" para adoção.
Qdo o assunto vira uma realidade percebem q não tinham idéia do que realmente é ter filhos; Não tinham idéia de muitos aspectos. Inclusive de suas próprias limitações para muitas coisas.
A adoção tardia não é para qq um. Adoção tardia é para quem realmente esta maduro para lidar com outro ser humano totalmente estranho,com uma super mochila de vida nas costas a ser compreendida, relevada e redireccionada. Quem opta por esse tipo de adoção deve ter um autoconhecimento grande, ter a sabedoria interna de ajudar-lo a integra-se a sua nova realidade pouco a pouco.
A adoção tardia é uma adoção especial cheia de outras possibilidades de situações que podem ou não dar-se, e ignorar essas possibilidades não é nada legal.
Mas creio que a situação vai muito mais longe, do que não estar "preparado" para essas possibilidades, creio que o problema esta realmente em saber internamente o que quer, o que pode ter, o que é possível que tenha, o que é adoção, qual a motivação verdadeira para dar-se essa adoção, e o mais importante na minha opinião "O momento de ter filhos" ainda q sejam biológicos em um momento pouco pensado, pouco planejado, pouco considerado em sua totalidade, traz consigo um "peso", ou seja, não estar minimamente preparado pode fazer essa maternidade algo difícil de lidar no dia a dia. Principalmente na hora que a criança vai crescendo e se demonstrando uma pessoa independente com seus próprios desejos, acertos e erros.
Talvez p essa senhora, o estar grávida nesse momento, represente a realização de uma sonho, e agora a menina "sobra" na concepção inconsciente, ou ate mesmo consciente, de uma pessoa que não "acolheu" com o coração a essa menina.
Situação difícil e dolorida, difícil de ajudar, mas creio que acudir uma terapia em família, e individualmente poderia ajudar sim.
Acredito fielmente que a mãe deve fazer uma terapia individual urgente, pois ela é quem não sabe lidar com o assunto, e as muitas emoções que estão surgindo com essa gravidez. Ela esta despejando na menina um peso enorme, e muito injusto.
A transformação hormonal que esta passando não justifica nada, pois apenas acentua o que já existia previamente em emoção.
Infelizmente casos assim ocorre mais vezes do que podemos imaginar, e o fim é quase sempre o mesmo, a devolução da criança.
Mais uma vivencia para que ela ponha dentro de sua pequena mochila da vida, de maneira internamente devastadora.

Amei! A primeira vista pode parecer que ela é contra... mas não é. Adoção tardia é maravilhosa, e todos só tem a ganhar com ela. O que precisa ficar bem claro, para que se evite situações muito tristes, é que esta criança tem um passado e isto precisa ser aceito. o ato de adoção não apaga automaticamente tudo o que ela viveu! Mas o carinho e o amor no dia a dia podem sim, transformar uma vida!

7 comentários:

Simone disse...

Olá!
Estou começando um processo de aproximação com uma criança de 4 anos para adota-la.
Gostaria de conversar um pouco mais com vc sobre a motivação da adoção, pois acredito que a responsabilidade com alguem que já tem uma historinha dificil de vida, seja maior ainda, e nao quero cometer erros e causar qualquer dano em alguem tão pequeno e que já sofreu muito.
meu email é: sivarella@hotmail.com

Anônimo disse...

olá!
estou muito triste,pois a 9 meses começamos um estágio de convivençia com uma menina de 7 anos. eu tenho um filho de 9 anos e desde q ela chegou recusa ele e faz questão de dizer n/gosta de meninos estão trabalhando isso fazendo terapia agora começou a interferir na personalidade do meu menino ele começou a recusa-lá tambem. a harmonia da nossa casa desapareceu até o meu marido já não aceita mais por 3 vezes queria devolver eu pedindo tempo. me rendi e começamos o processo para devolução.
agora me diga onde erramos, sou estudante de serviço social, sempre lutei e acreditei q não se entra em um processo de adoção na possibilidade de existir volta. td q acreditei caiu por terra, não é bem assim podemos seguir todas as regras mas estamos falando de pessoas e as vezes o q é mellhor p/nós eles não querem.
me diga como proceder com ela até a volta. ela me chama de mãe e ele de pai.
meu email é:zene_goncalves@hotmail.com

Siumara disse...

oi,tenho uma filha de sangue de 9 anos, em agosto de 2008 comecei a mexer com os papéis de adoção agora em março estou na etapa final para entrar na fila, quero uma menina até 3 anos sem preconceito de cor , tudo é muito demorado mas tenho muita fé em Deus e sei que a minha filha do coração um dia vai chegar

MDBC disse...

Realmente essa questão da devolução é algo fora da realidade!! Vc não devolve um filho bio, devolve? .... Um ponto que fiquei na dúvida, o adotante tem que ter uma diferença de idade de 16 anos para o adotado, como uma moça de 24 anos adotou uma adolescente? Isso esta fora da lei...

Anônimo disse...

Olá querida, é um texto muito forte, esse, eu estou iniciando minha monografia com o tema adoção tardia, envolvendo a devolução da criança após a adoção. Queria indicação de bibliografias.
meu email é larissalaiz@gmail.com
Muito Obrigada.
Laryssa.

Patrícia disse...

Nossa, muito forte esse texto! estou entrando com os papeis de adoção semana que vem, na verdade semana que vem termina nosso curso obrigatório então poderemos dar entrada nos papeis.
Não consigo me imaginar devolvendo um filho...Imagina a cabeça dessa criança sendo abandonada mais uma vez, isso é desumano....

Bjs

http://geradonocoracao.blogspot.com/

fabíola disse...

Essa moça é muito nova para ter adotado uma adolescente, não?