22.6.07

COMO PODEMOS AJUDAR NOSSOS FILHOS A DESENVOLVEREM SUA AUTO-ESTIMA?


Nesta semana tenho pensado bastante na questão da auto-estima de meus filhos.


Reavaliar e modificar algumas de nossas posturas em relação aos filhos não é algo simples, mas muito mais difícil é amenizarmos a influência e a interferência dos outros.


A sociedade valoriza apenas uma minoria com características específicas, que atenda a padrões eleitos de beleza e inteligência.


A escola é o laboratório da vida em sociedade e é bastante cruel com as crianças, que, por sua vez, não são seres angelicais como as pessoas costumam acreditar. Infelizmente, elas são produto e parte integrante da mesma sociedade impregnada de preconceitos.


Sou professora, mas reconheço que os professores, que também pertencem à mesma sociedade, não estão preparados para lidar com as diferenças. Os educadores deveriam ser os primeiros a se libertarem dos preconceitos e a dar bons exemplos, mas isso está longe ainda de acontecer.


O que, então, podemos fazer para ajudar nossos filhos a superarem todos esses obstáculos e a se amarem e se valorizarem apesar de tudo e de todos?


Sei que devemos amá-los incondicionalmente, incentivá-los, reconhecer suas habilidades e dialogar sempre. Mas o que mais podemos fazer? Gostaria que pudéssemos trocar algumas sugestões práticas.


2 comentários:

Bel Palhares disse...

ESTE COMPARTILHAR ACREDITO, DEVE SER SEMPRE NOSSO ALERTA, PARA COLABORARMOS NO CAMINHAR DIÁRIO DE NOSSOS FILHOS.DESENVOLVER A AUTO ESTIMA É DEVER, UMA RESPONSABILIDADE FAMILIAR.SE ISTO NÃO ACONTECER NO LAR,COM CERTEZA TBM NÃO OCORRERÁ EM NENHUM OUTRO LUGAR.NÃO SERÁ NA ESCOLA, NA COMUNIDADE OU NO LOCAL DE TRABALHO, QUE GANHARÃO A CONFIANÇA E O ENCORAJAMENTO NECESSÁRIO PARA ESTAREM SEMPRE SEGUINDO EM FRENTE , MESMO DIANTE DAS ADVERSIDADES.Diante disto creio que o maior presente que damos a eles, é ajudá-los a gostar de si mesmos.Bjosssss

Hassuiana disse...

Assim como existem vários tipos de pais, existem vários tipos de crianças, sendo assim se torna impossível existir uma fórmula pronta de desenvolvimento desses seres pequeninos.
Todo processo de desenvolvimento da auto-estima se inicia junto a gestação, que de alguma forma é o primeiro momento de acolhimento entre seres. O pequenino em busca de desenvolvimento físico e psiquico necessita de cuidados através do corpo da mãe e da assistência do pai. Quando nasce precisa de cuidado extremo para que se desenvolva, e esse cuidado não é somente material, é amor e amparo.
Uma criança que se sente amada desenvolve-se com maior facilicidade autonomia e confiança tanto em si como em seus cuidadores. Vivendo assim um momento de socialização primaria e de identificação.
Na escola por sua vez, a criança vai viver um outro momento diferente do que tinha experimentado até então. Vai conhecer outras pessoas e outras histórias, vivendo um outro momento da socialização. Inúmeros são os questionamentos que vão tomando conta dos pequeninos, e que precisam na medida do possível serem respondidos. Para que assim se sintam seguros e prossigam a caminhar. Indo de encontro com as diferenças e os desafios comuns ao seu desenvolvimento. Que nesse sentido precisam ser compreendidos e valorizados pelos cuidadores. Toda criação da criança é importante, mesmo aquelas que não estejam de acordo com o que a sociedade pede. As potencialidades de cada pequenino precisa ser observada e incentivadas pelos cuidadores, buscando pelo meio da educação uma negociação saudavel entre ambos. A criança é muito criativa e sua maior qualidade é não está contaminada por todas as cristalizações impostas na sociedade. Cabe aos cuidadores um diálogo constante. Buscando conhecer as singularidades dos seus filhos e assim podendo investir de forma que os MESMOS possam se desenvolver e amadurecer fisiologicamente, psicologicamente e socialmente.

Nanda - Sementes de Fraternidade