13.7.14

Não dá pra devolver...


1. Há um tempo atrás, uma amiga contava como foi a chegada do filho n.02. O filho n.01, enciumado, simplesmente cortou relações com ela. Sem tempo pra dormir ou comer, foi ficando cada vez mais estressada. Uma amiga perguntou como ela tinha conseguido resolver o problema. Ela respondeu que "não dava pra mandar de volta" então teve que se virar.

2. Uma amiga acabou de ter bebê. Segundo a irmã, ela está com depressão pós parto. Eu conversei pessoalmente com ela e creio que a depressão tem outro fundo que não o pós parto: a certeza dela de que é uma péssima mãe porque "não dá conta de tudo".

3. Em uma reunião do grupo de adoção uma assistente social contava, em tom de chacota, que um casal, há anos na fila, havia devolvido um bebê sob a justificativa de que ele chorava muito.

4. Uma adotante uma vez disse que gostaria de ter sabido antes o que a esperava, não que não fosse adotar... mas teria se preparado de forma diferente.

Porque estou contando estes casos? Porque hoje acredito que eles estão interligados. A moça do 3o caso pode ter devolvido o bebê não porque ele chorava muito (como se fosse um defeito de fabricação) mas porque não se sentia capaz de fazer daquele bebê um ser feliz.Acontece que ao invés da moça do tópico 1 ela podia devolver pra fonte... e o fez.

As reuniões dos grupos de adoção a que eu presenciei ( e não foram poucas) lidavam com o stress da espera, com a conscientização de que não existem bebês meninas disponíveis e que a adoção tardia deve ser encarada como uma possibilidade concreta. 

Quando eu sugeri que deveria ser incluído em pauta apoio pós adoção foi sarcasticamente respondido que "judiciário não é babá". 

Mas eu creio que nós podemos sim, nos preparar de forma consciente pra a chegada de um novo membro na nossa família.

Podemos e devemos, claro, sonhar com o dia em que o telefone toca... mas também devemos nos preparar para as mudanças necessárias que serão feitas em nossa rotina:
- nossa casa está preparada para receber as crianças? Algumas pessoas estão abertas a adoção de grupos de irmãos. Embora a AS faça este trabalho, pense se em sua casa cabem mais três camas, por ex. E o carro? Tem que trocar? E a escola, tenho uma idéia?
- nosso orçamento está preparado para destinar dinheiro pra outros lugares? Eu sempre ouço pessoas falando que não podem viajar pra buscar uma criança muito longe de sua residência.Se seu orçamento está inteiro comprometido com a prestação do carro, viagem, reforma da casa, melhor fazer uma planilha. Uma criança tem outros gastos que não apenas a alimentação: tem também o plano médico, escola, materiais...
-sua rotina diária como será? Que mudanças deverão ser feitas? Vc gosta de ir pra balada? Viajar? Comer lanche todo dia?
- como se comportam crianças de tal faixa etária? Como devo lidar com isso? Vou precisar de apoio especializado (psicóloga, fonoaudióloga, etc..)

Pode parecer besteira, mas uma vez aprendi que planejamento mental é tudo. A gente tem tempo de se preparar e não é pego de surpresa.



Um comentário:

Mamy Antenada disse...

Adorei o texto!! Perfeito!!
Com os anos de espera na fila da adoção nos preparamos para a tal ligação e muito pouco para o depois. Como se fosse uma "gestação inesperada" que foi esperada por anos!!!
Bj Bj
Pri Aitelli
www.mamyantenada.com